Guiné Bissau: agricultores passam a comparticipar aquisição de alfaias agrícolas

Os pequenos agricultores da Guiné Bissau vão passar a comparticipar em 40% as alfaias agrícolas oferecidas pelo Governo, indicou recentemente o ministro da Agricultura, Aníbal Pereira.

O responsável pela agricultura guineense fez o anúncio no ato da assinatura de um protocolo com o Ministério da Economia e Finanças, que gere a Agência Nacional do Crédito, instituição que detêm as alfaias agrícolas do Governo. 

Até aqui o equipamento era doado aos agricultores ou alugado às comunidades através de preços simbólicos, mas, regra geral, o material acabava por ter pouco tempo de vida devido à falta de manutenção ou de cuidados essenciais. 

A partir de agora o agricultor que quiser adquirir uma motobomba, uma descascadora, um moinho ou uma motocultivadora, terá que desembolsar 40% do valor do equipamento num prazo máximo de quatro anos. 

«O objetivo é levar os camponeses, as organizações camponesas, a contribuírem para as suas atividades. É uma forma de responsabilização do camponês perante o valor do material que vai receber», defendeu o ministro guineense, citado pela Lusa. 

A ideia, adiantou ainda Aníbal Pereira, é repor os equipamentos e ainda levar a banca comercial a interessar-se pelo processo de captação de fundos que serão reutilizados na agricultura, sobretudo, ao nível da atividade familiar. 

A agricultura é tida como a base da economia da Guiné Bissau, mas o uso das máquinas é ainda diminuto, embora, nos últimos anos, o Governo tenha vindo a introduzir algumas alfaias, oferecidas pela Índia.

Regiões

Notícias por região de Portugal

Tooltip